Projeto Remo Sem Fronteiras

Instituto IRIS

Educação: acreditar na educação como meio de transformação social. Responsabilidade Social: fomentar a cidadania nas organizações para o desenvolvimento sustentável. Diversidade: Promover a diversidade como um diferencial competitivo e um meio de inclusão. Inovação: criatividade e originalidade na produção, implementação e disseminação de tecnologias sociais, vinculando-as às políticas públicas. Sustentabilidade: construir legados para a sociedade. Voluntariado: fortalecer e disseminar a cultura do engajamento cívico Compromisso: proporcionar a equidade social e os direitos humanos. Ética: respeito, transparência e responsabilidade em todas as relações.

Objetivo do projeto

Realizar aulas nas modalidades de Remo Stand Up Paddle, Remo Olímpico e Canoa Havaiana para 90 crianças, jovens e adultos com deficiência, moradores das comunidades Gamboa de Baixo e Pituaçu, em Salvador, promovendo o desenvolvimento social por meio do esporte de Remo.

Dados de captação

Valor total do projeto: R$ 269.913,00
Valor captado até o momento: R$ 0,00
% captado: 0%
Saldo a captar: 269.913,00

Problema Social

O Projeto Remo Sem Fronteiras se propõe a ser um instrumento de democratização do acesso ao esporte de Remo a 100 crianças, jovens e adultos com deficiências ou em situação de vulnerabilidade social nas comunidades da Gamboa de Baixo e Pituaçu, em Salvador. Com a realização da inciativa, é fomentada uma grande contribuição para formação cidadã, intelectual e técnica dos participantes, visando à inclusão social, combate à discriminação e vulnerabilidade. As aulas de remo proporcionam o desenvolvimento físico, coordenação motora e cognição, aliado à melhora da concentração, equilíbrio, disciplina, confiança e percepção sobre os resultados positivos da colaboração mútua no trabalho em equipe. O Projeto “Remo Sem Fronteiras” incentiva a transformação social através da prática do esporte, oferecendo também lazer e cultura aos alunos, mantendo e coordenando diversas ações voltadas à melhoria da qualidade de vida através da arte, cultura, lazer e educação nas comunidades. Objetivando compartilhar as atividades com outras comunidades costeiras, desenvolvemos atividades coletivas e itinerantes contribuindo com a redução de conflitos sociais, inclusão e desenvolvimento familiar e individual de crianças, jovens e adolescentes em situação de risco. Devido às particularidades de cada comunidade, foram escolhidas as modalidades a serem abordadas em cada polo. Em Pituaçu, as aulas acontecem na Lagoa do Parque Metropolitano de Pituaçu. Por ser uma reserva ambiental, as aulas são de Remo Olímpico, focando ainda na acessibilidade das pessoas com deficiência. Já na Gamboa de Baixo, o mar facilita a prática da Canoa Havaiana, que estimula o trabalho em equipe, e do Stand Up Paddle, focado na concentração e desempenho individual. Realizado desde 2006 em comunidades de Salvador como Dique do Tororó, Pituaçu, Gamboa de Baixo e Preguiça, o Projeto “Remo Sem Fronteiras” tem como objetivo estimular as potências dos alunos e contribuir com o desenvolvimento da comunidade como um todo. Ao longo desses 12 anos, o projeto já formou cerca de 150 alunos e trouxe a primeira medalha paraolímpica para o Brasil, em 2008, nas Paraolimpíadas de Pequim. Os equipamentos para a realização das aulas foram doados à entidade ao longo desses 12 anos de projeto. De 2006 a 2008, o projeto contou com o apoio da Cetead e Citeluz que patrocinaram os alunos em competições com passagem, hospedagem e alimentação. De 2010 a 2016, a empresa Suíça Victorinox patrocinou a compra de equipamentos para o projeto, sendo eles: 16 barcos de remo olímpico, 10 pares de remos para remo olímpico, 10 máquinas de remo ergômetro, 02 barcos de remo olímpico modelo yole, 22 pranchas de Stand Up Paddle com quilhas, 10 remos de alumínio de Stand Up Paddle, 5 remos de carbono para Stand Up Paddle, 10 leachs para Stand Up Paddle. Prefeitura Bairro: PREFEITURA/BAIRRO I - CENTRO - BROTAS Eixo III: Atendimento Socioeducativo a crianças e adolescentes em horário complementar ao da escola, por meio de atividades culturais, esportivas e sociais, com foco educacional programas de atenção integral à primeira infância

Solução

Acreditamos que o esporte pode contribuir para a melhoria do autoconceito do indivíduo, não apenas em relação à dimensão motora, mas também em outros aspectos do desenvolvimento humano. A partir desta premissa, o Projeto Remo Sem Fronteiras se propõe a ser um instrumento de democratização do acesso ao esporte de remo para 60 crianças, jovens e adultos em situação de vulnerabilidade social e com deficiência, nas comunidades periféricas da Gamboa de Baixo e Pituaçu, em Salvador. Com a realização da inciativa, é fomentada uma grande contribuição para formação cidadã, intelectual e técnica dos participantes, visando à inclusão social, combate à discriminação e vulnerabilidade. As aulas de remo proporcionam o desenvolvimento físico, coordenação motora e cognição, aliado à melhora da concentração, equilíbrio, disciplina, confiança e percepção sobre os resultados positivos da colaboração mútua no trabalho em equipe. As oficinas/palestras propostas objetivam a disseminação de conhecimentos de extrema relevância para a formação cidadã de toda a comunidade. Em todo o projeto, a prática da cidadania é estimulada continuamente, para que as crianças e adolescentes se reconheçam enquanto sujeitos de direitos e deveres, desenvolvendo comportamentos, atitudes e práticas condizentes com a Declaração Universal dos Direitos Humanos, respeitando a si, a todos e aos ideais dos grupos nos quais estão inseridos e cumprindo com suas obrigações como cidadãos. Com um acompanhamento pedagógico realizado por uma equipe multidisciplinar composta pela Coordenação social e pedagógica, professores e monitores, a gestão do projeto e dos seus resultados é realizada com excelência, e isso se deve ao fato dos profissionais terem formação e experiência com projetos educacionais que envolvem crianças e adolescentes, especialmente aqueles que fazem parte do contexto das comunidades periféricas. CARACTERIZAÇÃO DA REALIDADE SOCIOAMBIENTAL As duas comunidades atendidas pelo projeto, Gamboa de Baixo e Pituaçu, são comunidades com pouca assistência, bastante ocupadas e desordenadas, com população predominantemente em situação de vulnerabilidade social. A Gamboa de Baixo, situada próximo ao Centro Histórico de Salvador, é uma comunidade que tem como principais moradores pescadores e marisqueiros. Com acesso quase nulo de carros, a Gamboa de Baixo fica situada próxima à Avenida Lafayete Coutinho, à beira da Bahia de Todos os Santos. Com potencial para se tornar um local turístico pela sua localização privilegiada, o bairro apresenta altos registros de criminalidade e não possui escola ou posto médico. A comunidade de Pituaçu fica situada na orla de Salvador e foi inicialmente construída por pescadores da região. No entanto, atualmente também possui diversos casos de tráfico de drogas. As aulas acontecem na lagoa do Parque Metropolitano de Pituaçu, que possui uma área de preservação ambiental do bioma Mata Atlântica, mas também é conhecida pela sua insegurança. Em Pituaçu, por ser uma comunidade maior que a Gamboa de Baixo, já existem escolas municipais, estaduais e postos de saúde. O projeto já possui parcerias nos dois polos que disponibilizam espaços para armazenamento dos materiais (pranchas, barcos, coletes, remos). As aulas acontecem na praia da Gamboa de Baixo e da Praia da Preguiça e na Lagoa do Parque de Pituaçu.

Metodologia

Faremos um estudo para podermos levantar elementos que ajudem na formação cognitiva e física dos alunos, considerando os pilares da educação que ensina a conhecer, a fazer, a ser e conviver com as dificuldades e limitações para uma melhora na qualidade de vida aumentando a autoestima e o desenvolvimento do aluno. Os alunos serão atendidos ao longo dos 12 meses do projeto e serão divididos em 12 turmas de 10 alunos cada, com duas aulas por semana, sendo 50 minutos cada aula. As aulas acontecerão sempre no contra turno escolar, nas terças e quintas-feiras. A fase de produção, na qual acontecerão as aulas, será iniciada em no mês 02, e segue até o mês 11. O professor Sérgio Oliveira, educador físico, vai coordenar as aulas, assim como a atuação do segundo professor e dos dois monitores que já foram alunos do projeto e moram nas comunidades. Será realizada uma reunião pedagógica com os pais dos alunos por mês para avaliação do desempenho do participante do projeto. A cada 06 meses uma pesquisa será realizada de maneira qualitativa e quantitativa com alunos e familiares para avaliar a apropriação e os resultados de legado do projeto. Com o acompanhamento pedagógico realizado pela equipe multidisciplinar composta pela Coordenação, assistente social, professores e monitores, o projeto busca estimular a apropriação constante da proposta teórico-metodológica do projeto, por meio da reflexão, da pesquisa e de discussões em grupo. Dessa forma, é responsável por acompanhar os procedimentos de desenvolvimento da referida proposta e o planejamento das atividades didáticas e práticas, buscando cumprir as metas e princípios da proposta pedagógica. Dessa forma, o acompanhamento pedagógico desempenha, entre outras atribuições, o papel de ajudar a identificar dificuldades em diversos âmbitos e procurar mediar situações, apoiando o educador em suas práticas em sala de aula. Ao mesmo tempo, é responsável por verificar e analisar como se desenvolvem os processos de aprendizagem dos educandos, com base nas avaliações, discussões e reflexões da equipe, buscando soluções didático-pedagógicas com a equipe de educadores e monitores. As reuniões pedagógicas ocorrem tanto com a totalidade da equipe, como em pequenos grupos e, se necessário, de forma individual. Nestas reuniões, os educadores e monitores são estimulados a expor suas experiências, seus avanços, seus percalços e dúvidas com o objetivo de refletir sobre sua prática e traçar objetivos. No final do projeto, mês 12, serão entregues os certificados de participação aos alunos, na reunião de acompanhamento com as famílias.

Metas

Descrição da meta 1_Tri 2_Tri 3_Tri 4_Tri
Qualif. de 120 jovens no remo 120 120 120 120
Melhor desen. social de 120 jovens 120 120 120 120
Realização de 11 Ativ. formativas 3 3 3 2
Realização de duas pesquisas qualit 1 0 1 0
Realização de 11 reuniões com famil 3 3 3 2

450 beneficiados


78%

22%
Abrangência: Salvador (BA)

Beneficiados por faixa etária

Crianças: (22%)
Adolescentes: (39%)
Adultos: (39%)
Idosos: (0%)

Cronograma

Atividades Jan-2019 Dez-2019
Mapeamento de parceiros locais
Confecção dos uniformes
Matrícula dos alunos
Comunicação do projeto
Aulas do projeto
Acompanhamento com assistente socia
Avaliação do projeto
Entrega dos certificados

Apoiadores